Friday, November 10, 2006

CASA DOS TEARES


Foi depois de tecer com os dedos que o homem criou o tear de pau elevando na teia um fio em cada dois, para passar o fio da trama. E inventou um pente para passar a trama. E assim teceu durante milénios…
Provavelmente foram os mouros que introduziram na Península muitas artes e ofícios, desenvolvendo a tecelagem , pelo sec VIII. Embora haja pouca informação, teria sido pelos reinados de D. João I, D. Duarte que se começaram a fazer os panos de lã meirinha nalgumas povoações de Portugal.; até então apenas se fabricavam uns estofos grosseiros de burel, principalmente nas zonas da Beira, junto das margens do Zêzere, onde havia muitos teares espalhados pelas aldeias. Cultivava-se também , nesta zona , o LINHO – os lençóis, as toalhas, as sacas e os alforges dos nossos pais e avós eram feitos em linho e estopa.

São quase sempre as mulheres que trabalham nos teares, que fiam , que tecem…actividades hoje quase inexistentes.
Na nossa aldeia, existe ainda a Casa dos Teares; mãos habilidosas e trabalhadoras fabricam mantas e tapetes artesanais, de puro algodão. Duas artesãs que persistem nesta actividade , sempre que os trabalhos do campo o permitem ou enquanto os netos dormem embalados pela cadencia do tear, como outrora os filhos. Foram convidadas há dias para participar com as suas obras numa exposição em Milão, senhoras de uma técnica caída em desuso mas que tem sempre grande procura, pela perfeição e beleza do trabalho. Parabéns à Sara e à Maria de Jesus.

10 comments:

Xica said...

Só espero que não se perca de vez esta arte como tantas outras lindas do nosso país. Espero que esse convite sirva de incentivo aos mais jovens para aprenderem. Beijitos e parabéns às tuas conterrâneas Sara e Maria de Jesus.

avelana said...

bom dia xica.

sao artes em vias de extinçao.
Porque dificeis, pesadas, duras - estar em pe uma tarde inteira ou uma noite nao e agradavel... faz-se mais no inverno porque nao se vai para o campo, mas as noites sao longas e os dias frios e um tear destes nao se pode ter ali junto da lareira, na cozinha ou na sala pelo espaço q ocupa...

E os mais novos parecem nao sentir qualquer atractivo!

asn said...

Bem me parecia que o nome me estava a soar a coisas mais lá do Norte.
Ok avelana, aliás já devo também uma visita a Mêda, mais propriamente à freguesia da Barreira.
Repito: o blogue está muito simpático e parece-me que estão a conseguir dar visibilidade à vossa terra, que é bem bonita, a avaliar pelas vossas reportagens.
Pés(volante) ao caminho...
-
Desculpem lá...a verdade é que não conhecia (agora já fiquei com uma ideia) a vossa terra.

-

pitanga said...

Olha, vês? Era aí que eu ficava. E vejo ao lado uma máquina de costura para os meus patchworks. Quadradinhos coloridos é que não iriam faltar.
beijinhos de puro talento. hehe

A COR DO MAR said...

Deixo-te um beijinho *

A Mónada said...

É sempre bom visitar este teu Blog. Obg pelo link.

Fica bem.

Maria said...

Avelana
Só me apetece dizer: opá, eu também quero...
tem um bom fim de semana

al cardoso said...

Teram sido em minha humilde opiniao os povos semitas, nos quais estavam incluidos os judeus, que ja estavam na peninsula Iberica muito antes dos "mouros". Quem mais tera contribuido para as artes artezanais e manuais.

Um abraco e bom fim de semana.

PS:Passe pelo: http://judeusterrasdealgodres.blogspot.com
O meu primeiro contributo para a area bloguista, que ja vai no segundo ano.

Isa said...

Interessante! Adoro linhos e o cheiro deles...

Bom fim de semana Avelana.

greentea said...

PARA O ALCARDOSO

seria interessante tirar isso a limpo; mas semitas ou mouros o importante seria a dar continuidade a estes trabalhos. Que me desculpe a avelana , ocupar o espaço, mas pessoalmente tenho muito interesse pelas rendas de bilros e gostaria de re-aprender ...tb se desconhece exactamente quem as introduziu, se foram os fenicios ou outros povos mas tb elas estao a cair em desuso e pouca gente sabe fazer esse trabalho, a semelhança do tear!!

Uma pena, sem d´´uvida.