Wednesday, April 11, 2007

AMBOM e suas origens

AMBOM -Árvore das Indias Orientais (dicionário Lello Universal)
AMBONE (do grego AMBON) - Tribuna ou púlpito colocado nas igrejas primitivas para leituras litúrgicas e discursos . É a evolução do que era tradicionalmente usado nas sinagogas judias . Ainda é usado nas Igrejas Ortodoxas , durante cerimónias fúnebres ou serviços especiais.

De acordo com o mais antigo documento que se conhece – Cartolário Livro das Doações do Mosteiro de Salzedas da autoria de Frei Baltazar dos Reis – este lugar já era povoado no séc. XII pois o referido documento, que narra os bens que o Mosteiro possuía cita expressamente o lugar de Avelans. Da origem do nome não se conhecem documentos mas é voz corrente que Avelãs surgiu da abundância de aveleiras que em tempos houve neste lugar. Quanto ao nome Ambom recolhem-se na tradição oral três hipóteses: ou o nome se deve a um povoador medievo, ou resultou do termo “ano bom”, que segundo os defensores desta tese tem origem no facto de em tempos ter havido na região um mau ano agrícola a que Avelãs terá escapado, passando por esse motivo a ser distinguida como Avelãs do Ano Bom. Segundo uma terceira versão este nome provem de “ambão” (Ambone ou Ambon), termo que se relaciona com o facto de a aldeia estar edificada num local de destaque da referida Serra da Lomba. aqui
Curiosamente , encontra-se Ambon - uma comuna francesa na região administrativa da Bretanha, no departamento Morbihan. Estende-se por uma área de 38,69 km², com 1.006 habitantes, segundo os censos de 1999, com uma densidade 26 hab/km².
e ainda Ambon ou Amboine (Ambon ou Amboina em indonésien) é uma pequena ilha de 775 km² montanhosa e fértil, situada no arquipélago de Moluques na Indonésie.
A principal cidade é Ambon ou Amboine (Kota Ambon em indonésio), capital da provincia das Molucas. O nome AMBON é já utilizado no o sec XIV. Nagarakertagama, um poema épico escrito em 1365 no reino javanais de Majapahit, menciona "Ambwan" entre uma centena de regiões tributárias do reino.

Em 1546 et 1547 Francisco Xavier, co-fundador da ordem dos jesuitas com Ignacio de Loyola, inicia as bases de uma missão em Ambon, e ainda em Morotai e Ternate.
informações extraidas « daqui »

Este conjunto de ligações parece-me muito curioso :

a aldeia está de facto situada em local de eleição na serra , qual ambom ou ambão que ocupa o lugar de destaque na nave da igreja;

Ambom é uma árvore das Indias Orientais, semelhante à mangueira ;

a povoação já existe no séc XII com a designação de Avelans mas atribui-se o complemento a um qualquer povoador medievo, que muito bem poderia ter acompanhado as expedições de Afonso de Albuquerque ou outros às Indias e de lá ter trazido o nome, já que os portugueses se estabeleceram nas Molucas.

São contributos para a história de Avelãs de Ambom. Agradecemos a todos que queiram partilhar outras informações que possam ter disponiveis. (fotos de avelana)


17 comments:

Fernanda said...

Agradeço a visita no meu cantinho.

Gostei das fotos e dos textos.
A investigação de certas origens
é fundamental para um melhor conhecimento.
Um dia destes irei ver esse local.

Um abraço

viajante said...

Um convite para viajar no Transatlântico.
E boa viagem.

avelana said...

fernanda
gosto deste tipo de pesquisa e achei muito curioso que num lugar perdido das Indias Orientais haja uma ilha com o mesmo nome, que mais tarde terá sido levado para uma comuna francesa.

Vem quando quizeres . Bem hajas.

avelana said...

viajante

fiquei encantada com a surpresa que tinhas para mim e claro que aceitei logo o convite.

Um abraço

Margri said...

Que bom ainda teres na tua aldeia casas antigas como as que mostras, aparentemente bem conservadas.
Na minha, as que já existiram, ou foram deitadas abaixo, ou estão em ruínas e cobertas de silvas.

Mesmo as aldeias indicadas como "típicas" vão-se descaracterizando perante a indiferença dos poderes locais e a ambição modernista dos habitantes:
Ainda há pouco tempo, ao visitar uma aldeia "típica" de Arouca, perante alguns telhados modernos sobre paredes antigas, ocorreu-me perguntar se aquilo era autorizado pela Câmara. Um Xico Esperto lá me respondeu que "não, mas a gente faz isto à noite quando os fiscais não passam, e depois de pronto eles já não se atrevem..." Outra senhora dizia-me ingenuamente "aqui também há casas bonitas" e apontava-me um casarão de emigrante, que fazia lembrar uma avestruz numa capoeira de galinhas.
Precisava-se de mais pedagogia e também de maior firmeza, por parte dos poderes locais.

Mas tu fazes a tua parte, ao mostrar encantos do passado, à mistura com a riqueza histórica.

Um abraço.

Tozé Franco said...

Gostei dos esclarecimentos.
Um abraço.

A COR DO MAR said...

Mto interessante Avelana, este estudo que apresentas.
Beijinho*

Pedro n. t. santos said...

Nada sei acrescentar sobre a origem de "Avelãs de Ambom"...mas posso acrescentar o apreço pela beleza da paisagem que me era oferecida na viagem diária que fazia pelas redondezas de Avelãs(a caminho da V. Franca das Naves, onde dei aulas há uns 5 anos)...Sobretudo o prazer de ver que após uma "pinheirização" forçada, as paisagens tradicionais, moldadas pelo carvalho, estão de regresso...

Abraço

oceanus said...

Agradeço a visita ao Oceanus.

E gostei muito de toda a informação a cerca de algo que simplesmente desconhecia "AMBOM"? Para além das bonitas fotos.
Um magnifico convite para viajar e conhecer ao vivo Ambom.

Um abraço do fundo do Oceanus

Pandora said...

Vivo aí tão perto e não conheço a tua aldeia.
Como sou de uma cidade muito populosa, estes recantos de Portugal encantam-me, mas o tempo ás vezes não nos deixa passear tanto quanto queremos

al cardoso said...

Belos texto e fotografias, a dar-nos a conhecer melhor, esta linda aldeia da Beira.

Um abraco amigo d'Algodres.

A COR DO MAR said...

Amiga, mais que merecido, nomeei o teu blog, podes ir buscar o selo ao meu blog.
Grd beijinho*

Hanah said...

Muito interessante o texto e as conhecidências....

O homem caminhou muito por esse planeta...

Legal a pesquisa....

Bem hajas

Boa semana

Abração

Patrícia Santos said...

Adoro estas aldeias típicas.

Quem sabe, mais tarde,numa fase avançada da minha vida, consiga assim um cantinho para disfrutar a 100%

Beijos Cósmicos

maria ilda said...
This comment has been removed by the author.
maria ilda said...

eu me adreço a fernanda que gostou
dos fotos da aldeia de Avelãs de Ambom a senhora tem rasão são coisas historicas, e mais a mais hà uma foto n°3 uma porta que ten embaixo un boraco, era a casa da minha avo, aonde eu nasci,jà faz 58 anos gostava de saber se a senhora é das Avelãs de Ambom
beijos a todos

debraga said...

gostei muito de rever as avelãs!que saudades.